Sidebar

BT Login

Entrar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *
dDFzb2ZnMDFlYjkzYWRyMjdvMzNnOW9oZTIxNTQyNTUyMzM4 Colunas - Revista Manutenção
Reload Captcha

BM Slide Login

0 Eventos

Para presidente do Clube de Engenharia, se Petrobrás for destruída, estrangeiras vão se apossar do petróleo brasileiro. Para presidente do Clube de Engenharia, se Petrobrás for destruída, estrangeiras vão se apossar do petróleo brasileiro. Pedro Celestino é engenheiro civil, especialista em transportes, e comanda há mais de 40 anos uma empresa de engenharia consultiva. Por anos, foi presidente do conselho da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), que administra 60 aeroportos. Hoje é presidente do Clube de Engenharia, instituição às vésperas de completar 135 anos de existência. Em entrevista ao Brasil de Fato, Celestino afirma que a Petrobras está sendo alvo de desmonte e deve ser defendida pois é a âncora do desenvolvimento industrial brasileiro. Para ele, os desdobramentos da Operação Lava Jato estão levando ao desmantelamento das empresas nacionais e de tudo o que foi desenvolvido nos últimos 60 anos.

Avalie esta publicação: 1 1 1 1 1 Nota 0% (0 Votos)

Em entrevista, ex-presidente da Petrobras analisa novo contexto da estatal. Uma das medidas anunciadas pela Petrobras em 2017 foi uma licitação para a retomada da construção da unidade de processamento de gás natural do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). A novidade é que a estatal convidou apenas empresas estrangeiras para participar do processo de seleção.

Avalie esta publicação: 1 1 1 1 1 Nota 0% (0 Votos)

Professor analisa as ameaças existentes sobre o viés da esquerda. "Entendo que a exposição de argumentos e motivos já está mais que suficiente, demonstrando mesmo a uma hipotética audiência leitora não treinada, as possibilidades concretas do acionar dos EUA tendo como alvo os conglomerados econômicos cuja cadeia de valor central foca na engenharia pesada. Não por acaso, este oligopólio nacional – controlado por famílias e acionistas majoritários, além de financiados pelos megacontratos com a Petrobrás ou através do BNDES – é um ativo central na criação e projeção de excedentes de poder do Brasil para o Sistema Internacional", escreve Bruno Lima Rocha, professor de ciência política e de relações internacionais.

Avalie esta publicação: 1 1 1 1 1 Nota 0% (0 Votos)
Página 2 de 2

Redes sociais

Anúncios

Ainda não é registrado? Registre-se agora!

ÁREA DO ASSINANTE