Sidebar

BT Login

Entrar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *
Z3ZiM21rNDdvNWxhbmZwZzFycmFxMzZtOTQxNTQyNzk1ODEw Evidências da Industrialização tardia do Brasil - Revista Manutenção
Reload Captcha

BM Slide Login

0 Eventos

Industrialização tardia: Evidências do desenvolvimento retardatário do Brasil

Enxada Duas Caras disponibilizada pelo fabricante Bellota para divulgação

Ferramentas
Fonte
  • Menor Pequena Média Grande Maior
  • Padrão Helvetica Segoe Georgia Times
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro

Em 28 de Abril de 2017, através de um convite do Clube de Engenharia, estive presente em um evento na faculdade de direito da USP, no Largo São Francisco, em São Paulo, afim de prestigiar o lançamento do Manifesto do Projeto Brasil Nação, capitaneado pelo famigerado economista, cientista político, cientista social, administrador de empresas, formado em direito e professor da Fundação Getúlio Vargas, Luiz Carlos Bresser-Pereira, e assinado por diversos políticos, professores, intelectuais e empresários como Fernando Haddad, Ciro Gomes, Celso Amorim, Eduardo Suplicy, Lindbergh Farias, Carina Vitral, Luiz Gonzaga de Belluzzo, Raduan Nassar, Pedro Celestino, Leda Paulani, Fábio Konder Comparato, Paulo Henrique Amorim e Mario Bernadini.

Transmissão do evento (TVT)

Em suma, o manifesto apresentado, propõe um projeto de desenvolvimento nacional, de médio e longo prazo, como alternativa ao neoliberalismo, que apesar de ter fracassado mundo a fora, ressuscitou no Brasil e se impôs, através de um golpe de Estado, que deu origem a um processo dramático de desindustrialização e desnacionalização dos ativos públicos, cujas principais consequências, foram o aprofundamento da recessão, a implementação de políticas de austeridade, reformas impopulares e mais de 14 milhões de desempregados​.

Esta ocasião me fez compreender melhor um relato que presenciei um ano antes, no dia 28 de abril de 2016, em um evento semelhante, na PUC-SP, onde o Ciro Gomes, então pré candidato à presidência da república pelo PDT, afirmou em tom de sátira, que há pouco tempo atrás o Brasil ainda importava enxadas, inclusive com cabos, para dar ênfase a industrialização tardia da Brasil, citando como evidência a incapacidade de se produzir internamente uma ferramenta simples e essencial, para um pais cujo principal pilar da economia era a agricultura.

Transmissão do evento (TVPUC)

edward elwell ltdFabricante de enxadas importadas

Eu confesso que em 2016 achei que o relato fosse uma sátira por inflação, mas me enganei, pois o que Ciro Gomes disse no auditório da PUC-SP lotado de estudantes de economia, não foi apenas por força da expressão, ele referia-se ao governo de Epitácio Pessoa (1919:1922), que antecedeu o primeiro governo de Getúlio Vargas (1930:1945), ou seja, antecedeu o início do processo de industrialização do Brasil.

Estes dois episódios PUC e USP, me surpreenderam pois a partir dalí obtive consciência de que o Brasil passou a planejar o processo de industrialização somente após a década de 1930, e tive que concordar que ela foi realmente tardia, visto que a Revolução Industrial já tinha aproximadamente duzentos anos na Europa.

Fiquei mais surpreso ainda, ao conversar sobre o assunto com o meu Pai, o metalúrgico aposentado, Luiz Mendonça, que na adolescência foi trabalhador rural na região norte do Estado do Paraná, e afirmou que ainda no final da década de 1960, utilizou na agricultura, enxadas e outras ferramentas importadas da Inglaterra da famosa marca Duas Caras.

Segundo ele, as enxadas nacionais existentes naquela época, ainda eram de péssima qualidade, quebravam, não cortavam adequadamente, além de ter o cabo pesado e nada anatômico, o que garantiu o domínio do mercado interno, pelo produto importado, fabricado pela empresa Edward Elwell LTD, na Inglaterra, que foi o epicentro da primeira Revolução Industrial.

Em suma, a constatação de que ainda na década de sessenta, o Brasil importava enxadas, por sí só revela que apesar de ter iniciado o processo de industrialização na década de trinta, somente após a segunda guerra que ele passou a efetivamente reduzir a dependência tecnológica externa, e a garantir a autonomia necessária para desenvolver internamente o modo de produção capitalista, que nos colocou em posição privilegiada no aspecto econômico e geopolítico durante o período de globalização, quando o Brasil tornou-se um case de sucesso reconhecido internacionalmente, por ter protagonizado o mais intenso processo de industrialização da história no menor espaço de tempo.

Economia por PIBMaiores economias do mundo por PIB em 2017 (contando as economias da União Europeia como uma) de acordo com as estimativas do Fundo Monetário Internacional.Enfim, essa constatação se faz importante a partir do ponto de vista geopolítico e histórico, pois confirma a tese do capitalismo tardio, difundida no início da década de 1980, pela base do "pensamento de Campinas", ou seja, pelos intelectuais, professores e estudantes da Escola de Economia da UNICAMP e esclarece os motivos pelos quais o Brasil é hoje a sexta maior economia considerando o PIB e ao mesmo tempo o décimo país mais desigual do mundo, conforme divulgado em 2017, pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), além de rechaçar qualquer tipo de comparação indevida feita por quem não sabe de onde veio (Capitalismo de mercado / Capitalismo monopolista), onde está (Capitalismo tardio), tampouco para onde vai (Pós-capitalismo), e se arrisca a comparar o desenvolvimento industrial e econômico do Brasil com o de países como Estados Unidos, Inglaterra, Suiça e Noruega.

Texto: Primeira edição publicada na Revista Manutenção sob licença Creative Commons  Licença Creative Commons
Imagens: As imagens possuem licenças específicas, consulte as respectivas legendas
Enxada Duas Caras disponibilizada pelo fabricante Bellota para divulgação
DETALHES SOBRE O AUTOR
fauzi-mendonca Evidências da Industrialização tardia do Brasil - Revista Manutenção
Fauzi Mendonça
Nome: Fauzi Mendonça
Website: http://www.revistamanutencao.com.br
E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Analista de PCM


   Redes sociais: 
linkedin Evidências da Industrialização tardia do Brasil - Revista Manutenção
 
facebook Evidências da Industrialização tardia do Brasil - Revista Manutenção
 
twitter Evidências da Industrialização tardia do Brasil - Revista Manutenção
 
google Evidências da Industrialização tardia do Brasil - Revista Manutenção
 
youtube Evidências da Industrialização tardia do Brasil - Revista Manutenção
 
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.




APRESENTAÇÃO:

Fundador, Diretor Editorial e Colunista da Revista Manutenção, escreve regularmente sobre diversos assuntos relacionados ao cotidiano da área de manutenção.

Desenvolvedor Web nas horas vagas, é o responsável pelo design, layout, diagramação, pela elaboração da identidade visual e da logomarca da Revista Manutenção.

FORMAÇÃO ACADÊMICA E EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL:

Profissional graduado em Engenharia Eletrônica com ênfase em Automação e Controle, pela FAT (Faculdade Anhanguera de Tecnologia) de São Bernardo, atua há mais de dez anos com Planejamento e Controle de Manutenção (PCM), em empresas de médio e grande porte, nacionais e multinacionais, onde edificou carreira profissional como Programador, Planejador e Analista de Manutenção.


COMENTE, DEBATA, DISCUTA OU DEIXE A SUA OPINIÃO RESPEITOSAMENTE
Os comentários não representam a linha editorial, tampouco a opinião dos articulistas e editores da Revista Manutenção, e estão sujeitos a moderação, pois são de responsabilidade exclusiva de seus autores.

Caso encontre algo ofensivo que viole a legislação vigente no Brasil ou os termos de uso, DENUNCIE.

Avalie esta publicação: 1 1 1 1 1 Nota 0% (0 Votos)

Redes sociais

Anúncios

Ainda não é registrado? Registre-se agora!

ÁREA DO ASSINANTE