Sidebar

BT Login

Entrar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *
M20yYXFpNmloZWY5N2Y5dXQ5ZnY2cWI1MjUxNTY4NTk0NzAx Conheça o primeiro navio 100% elétrico e autônomo do mundo e os  impactos da indústria 4.0 no setor naval - Revista Manutenção
Reload Captcha

BM Slide Login

Conheça o primeiro navio 100% elétrico e autônomo do mundo e os impactos da indústria 4.0 no setor naval

Navio Yara Birkeland reprodução Press Release da Yara

Ferramentas
Fonte
  • Menor Pequena Média Grande Maior
  • Padrão Helvetica Segoe Georgia Times



TAGOUT - BLOQUEIO E ETIQUETAGEM
MAXINST - EAM
IPOG - MBA em Gestão da Manutenção
GMG Service
ENGETAG
Parceiro
TAGOUT - BLOQUEIO E ETIQUETAGEM
MAXINST - EAM
IPOG - MBA em Gestão da Manutenção
GMG Service
ENGETAG
Parceiro

As 3 primeiras revoluções industriais trouxeram a produção em massa, as máquinas a vapor, as linhas de montagem, a eletricidade e a tecnologia da informação. A quarta revolução industrial, que terá um impacto mais profundo e exponencial, se caracteriza por três pilares tecnológicos:

- Alta capacidade de armazenamento das informações;
- Identificação de tendências por análise de dados;
- Integração ou fusão de várias tecnologias.

Você já parou para pensar que o mundo da manutenção será diretamente impactado por essa revolução independente da sua área de atuação?

A exemplo dos pioneiros da indústria automobilística, na indústria naval já acontece uma invasão de robôs em curso em um dos setores que exigem uso intenso de mão de obra - a construção naval. Em busca de custos mais baixos e mais rapidez na construção, a Hyundai Heavy Industries e a Daewoo Shipbuilding & Marine Engineering, como exemplo, já estão usando automação para construir partes importantes de gigantescos navios de contêineres, alguns com até 400 metros de comprimento.

A Hyundai Heavy afirma ser novidade global o uso de um robô industrial de 670 quilos (projetado e testado internamente) capaz de dobrar e soldar chapas de aço para as partes de vante e ré dos navios por meio de conectividade remota entre a máquina e o software de design. As principais características dessa nova fase da indústria são a utilização cada vez mais comum de câmeras e sensores nos processos industriais, o ajuste e manutenção de máquinas feito remotamente e a baixa emissão de ruídos, com máquinas cada vez mais silenciosas e pouco fluxo de trabalhadores.

Navio Yara Birkeland

Fruto dessa nova geração de conceitos industriais, o navio YARA Birkeland é uma embarcação autônoma de contêineres com emissão zero de gases, desenvolvido em conjunto pelas empresas Kongsberg e Yara. O navio foi nomeado em homenagem ao fundador da Yara, Kristian Birkeland, e será o primeiro navio contêiner 100% elétrico e autônomo do mundo após seu lançamento, previsto para 2019.

A Kongsberg é responsável pelo desenvolvimento, fornecimento e integração de sensores, sistemas de acionamento elétrico, baterias e controle de propulsão. O YARA Birkeland entrará em serviço inicialmente com o navio tripulado, e após essa fase inicial de teste começará a operação sem tripulação, ou seja, de forma totalmente remota e autônoma, em uma rota marítima entre os portos de Brevik, Herøya e Larvik, no sul da Noruega. Com isso, irá reduzir o transporte de caminhões movidos a diesel em cerca de 40.000 viagens por ano, minimizando os níveis de NOx e CO2.

O navio autônomo de contêiner terá um comprimento total de 79,5m, e contará com um sistema de ancoragem automática que não exigirá preparações especiais nos portos, permitindo sua atracação e desatracação na forma autônoma.

A navegação e as operações autônomas do navio serão controladas por diversos sensores de proximidade, incluindo um radar, um dispositivo de detecção e alcance de luz, um sistema de identificação automática (AIS), um sistema de imagem e por câmeras infravermelho.

Os sistemas de comunicação da YARA Birkeland incluirão um rádio de banda larga marítima e uma conexão de rede virtual privada (VPN) através da Inmarsat.

O navio irá navegar com uma velocidade entre 6 e 10 nós, e estará equipado com propulsores azimutais e bow thrusters Brunvoll, alimentados por um pacote robusto de baterias. Em relação aos propulsores Brunvoll, trata-se do tipo PU74, cada um de 900 quilowatts, os bow thrusters são do tipo FU63, cada um com 700 quilowatts.

Texto: Primeira edição publicada na Revista Manutenção sob licença Creative Commons  Licença Creative Commons
Imagens: As imagens possuem licenças específicas, consulte as respectivas legendas
Navio Yara Birkeland reprodução Press Release da Yara
COMENTE, DEBATA, DISCUTA OU DEIXE A SUA OPINIÃO RESPEITOSAMENTE
Os comentários não representam a linha editorial, tampouco a opinião dos articulistas e editores da Revista Manutenção, e estão sujeitos a moderação, pois são de responsabilidade exclusiva de seus autores.

Caso encontre algo ofensivo que viole a legislação vigente no Brasil ou os termos de uso, DENUNCIE.

DETALHES SOBRE O AUTOR
bruno-silva Conheça o primeiro navio 100% elétrico e autônomo do mundo e os  impactos da indústria 4.0 no setor naval - Revista Manutenção
Bruno Silva
Nome: Bruno Silva
Website: http://www.revistamanutencao.com.br/
E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Chefe de Máquinas


   Redes sociais: 
linkedin Conheça o primeiro navio 100% elétrico e autônomo do mundo e os  impactos da indústria 4.0 no setor naval - Revista Manutenção
 
facebook Conheça o primeiro navio 100% elétrico e autônomo do mundo e os  impactos da indústria 4.0 no setor naval - Revista Manutenção
 
twitter Conheça o primeiro navio 100% elétrico e autônomo do mundo e os  impactos da indústria 4.0 no setor naval - Revista Manutenção
 
google Conheça o primeiro navio 100% elétrico e autônomo do mundo e os  impactos da indústria 4.0 no setor naval - Revista Manutenção
 
youtube Conheça o primeiro navio 100% elétrico e autônomo do mundo e os  impactos da indústria 4.0 no setor naval - Revista Manutenção
 
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.




APRESENTAÇÃO:

Bruno Silva é carioca, nascido em 10 de abril de 1984. Chefe de Máquinas em embarcações mercantes e especialista em soluções digitais e sistemas informatizados de manutenção.

FORMAÇÃO ACADÊMICA E EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL:

Bruno Silva atua nas áreas de Engenharia e Tecnologia há 20 anos, é Chefe de Máquinas em embarcações de apoio à plataformas (Offshore) e apoio portuário, e atualmente é “Chief Engineer” no grupo Wilson, Sons, empresa do segmento marítimo com mais de 180 anos. Bruno é formado em máquinas pela Marinha Mercante, além de ter formações técnicas em Mecânica e Eletrônica. Conselheiro no Instituto Federal Catarinense e Colunista na Revista Manutenção, Bruno Silva ainda conta com certificações oficiais Scrum, Microsoft, ITIL, Bing Ads, Google Ads e Google Analytics. Bruno foi premiado duas vezes no "Mar de Ideias", promovido pelo grupo Wilson, Sons, sendo contemplado pelas ideias inovadoras de baixo custo de implementação e alta eficiência e ganhos.


Avalie esta publicação: 1 1 1 1 1 Nota 100% (1 Voto)
Compartilhar

Redes Sociais

 

 
 

Anúncios

Livros recomendados

Ainda não é registrado? Registre-se agora!

ÁREA DO ASSINANTE