Sidebar

BT Login

Entrar Registrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim

Criar uma conta

Todos os campos marcados com asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Nome de usuário *
Senha *
Verificar senha *
Email *
Verifar email *
Captcha *
dGNtOGplNGxtbGRvbzczNHNoam9zM243ZzExNTY4NTk0MjQ3 A retirada do motor de um caça F-35 para manutenção leva até 36 horas - Revista Manutenção
Reload Captcha

BM Slide Login

A retirada do motor de um caça F-35 para manutenção leva até 36 horas

Engine disponibilizada por U.S. Air Force via Press Release

Ferramentas
Fonte
  • Menor Pequena Média Grande Maior
  • Padrão Helvetica Segoe Georgia Times



TAGOUT - BLOQUEIO E ETIQUETAGEM
MAXINST - EAM
IPOG - MBA em Gestão da Manutenção
GMG Service
ENGETAG
Parceiro
TAGOUT - BLOQUEIO E ETIQUETAGEM
MAXINST - EAM
IPOG - MBA em Gestão da Manutenção
GMG Service
ENGETAG
Parceiro

(U.S. Air Force) Os aviões F-35 Lightning da Base da Força Aérea de Eglin, na Flórida, se preparam para a decolagem em Barksdale AFB, Louisiana, 12 de outubro de 2018. A aeronave evacuou para a Barksdale AFB para evitar possíveis danos causados pelo furacão Michael.

EGLIN AIR FORCE BASE, Flórida - Enquanto o furacão Michael se aproximava da Costa Esmeralda da Flórida, os F-35A Lightning IIs da 33a Asa de Combate foram evacuados para a Base Aérea de Barksdale, Louisiana, para evitar o caminho da tempestade catastrófica e potenciais danos. Enquanto Michael passava, perdendo por pouco a Eglin AFB, um tipo diferente de tempestade se formava no horizonte que testaria a inovação nômade.

Houve uma conversa dentro da comunidade do F-35 sobre a inspeção de uma única vez, ou da OTI, que estava sendo transmitida.

Todas as aeronaves do 33º FW precisavam inspecionar uma linha de combustível no motor. Peças dentro de um número de lote específico precisavam ser removidas e substituídas. Todas as aeronaves foram aterrizadas até serem inspecionadas e consertadas, se necessário.

Isso teve um profundo impacto na Eglin AFB, mas trouxe ainda mais complicações para a aeronave ainda na Base Aérea de Barksdale.

"Foi particularmente preocupante para nós, porque tínhamos jatos fora da estação sem acesso a todas as nossas ferramentas e pessoal", disse o 1º tenente Patrick Michael, 58o oficial adjunto da Unidade de Manutenção de Aeronaves responsável. “Nós não tínhamos a orientação para mudar a parte ainda. A orientação preliminar dizia que precisaríamos remover o motor para acessar e remover a linha. ”

As diretrizes atuais usadas para a manutenção de aeronaves exigiam que todo o motor fosse removido, o que exigiria pelo menos 36 horas por jato. Além disso, trailers de motor e caixas de ferramentas precisariam ser transportados para o local, estendendo a linha do tempo.

Quando a OTI foi oficializada em 12 de outubro, a liderança em todos os níveis do 33º Grupo de Manutenção e do 33º Esquadrão de Manutenção de Aeronaves viu uma oportunidade para que os aviadores demonstrassem sua capacidade. Eles estenderam um desafio... encontrar um caminho melhor.

Os mantenedores da Base Aérea de Barksdale determinaram que oito dos jatos não cumpriram os requisitos da OTI. Os jatos restantes retornaram para a Eglin AFB. Mantenedores que trabalham com engenheiros de suporte de campo da Lockheed Martin e da Pratt and Whitney decidiram encontrar uma maneira de substituir a linha de combustível sem remover o motor.

Os chefes da tripulação determinaram que podiam acessar a peça através de um buraco grande o suficiente para caber uma mão. A localização da linha de combustível é quase impossível de ver. Eles precisavam separar outro componente sem removê-lo, deixando o espaço ainda mais escasso.

Apesar de quão difícil foi, eles conseguiram encontrar a correção. O primeiro em toda a presença global do F-35.

Dentro de três dias da notificação oficial, a 58ª AMU identificou os jatos que estavam com defeito, encontrou a correção, revisou e aprovou a execução e estava a caminho da Barksdale AFB para implementar o novo procedimento.

“Especialmente depois do furacão Michael, a linha de combustível OTI tinha o potencial de atrasar o cronograma do nosso treinamento”, disse o tenente-coronel David Cochran, 58º diretor de operações da FS. “As estimativas iniciais foram para os nossos alunos se formarem quase dois meses atrasados. Em vez disso, nossa equipe de manutenção nos levou de volta a um cronograma completo dentro de duas semanas e possibilitou a graduação pontual de nove novos pilotos do F-35. ”

F 35 pousando para manutencao

Cada missão de treinamento exige trabalho em equipe entre inúmeras organizações para preparar jatos para o vôo e colocá-los no ar. As ações que ocorreram após a OTI destacaram o significado e a eficácia de muitas organizações trabalhando juntas no 33º MXG.

No nível do grupo, os planos e a seção de agendamento ordenaram novas peças e abriram linhas de comunicação com a liderança, garantindo que a comunicação apropriada estivesse ocorrendo. Eles identificaram aeronaves que não foram afetadas pela inspeção, permitindo que voltassem para casa mais cedo. A manutenção foi então priorizada em toda a frota para permitir que as operações normais na ala continuassem.

A seção de garantia de qualidade ajudou a validar os novos dados técnicos e o processo de inspeção. Eles também enviaram um membro de sua equipe para a Base Aérea de Barksdale para fornecer assistência e supervisão, eventualmente simplificando os reparos.

Os membros das seções do 33º MXS Low Observable and Fuels forneceram assistência adicional de manutenção e aumentaram o grupo inicial de mantenedores que implantaram para recuperar os jatos. Eles dirigiram centenas de quilômetros para entregar equipamentos de suporte e os consumíveis necessários para concluir o reparo. Suas ações eliminaram os dias de entrega e evitaram vários milhares de dólares em custos de transporte.

"O programa F-35 tende a reunir as partes sob uma causa comum, amadurecendo o programa", disse o Chief Sgt. Matthew Coltrin, 33º superintendente da MXS.

Coltrin continuou dizendo que sua parceria é forte porque muitas das funções que existiam dentro de um esquadrão de manutenção tradicional com aeronaves de quarta geração estão agora dentro do esquadrão de manutenção de aeronaves da quinta geração.

“Agora, mais do que nunca, confiamos uns nos outros para realizar a manutenção orgânica, disse Coltrin.

Até esta data, apenas uma outra unidade replicou a mesma manutenção em três jatos. Isso é devido ao que diferencia a equipe de manutenção da 33ª FW das demais.

"Os mantenedores da 33ª Ala de Caça têm uma maturidade diferente de qualquer outro na empresa", disse Joseph Frasnelli, chefe de manutenção e operações da Lockheed Martin Aeronautics F-35 na Eglin AFB. “A 58ª AMU forjou seu próprio caminho com o apoio de sua liderança… e eles eliminaram suas mudanças de combustível em um tempo significativamente mais rápido.”

Quando a OTI foi realizada pela primeira vez, a troca de combustível levou cerca de 24 horas, 12 horas a menos que remover todo o motor e executar a manutenção em um suporte. Enquanto repetiam a tarefa em outras aeronaves, eles conseguiram ganhar outras quatro horas, permitindo que os jatos voltassem para casa mais rapidamente. Essa velocidade e precisão garantiram que a asa pudesse continuar realizando uma de suas principais missões, treinando os pilotos do F-35A.

Enquanto enfrentavam a adversidade em mais de uma frente, os 33 mantenedores do FW se inclinaram para a frente e resolveram um problema que ninguém mais conseguiu. Essa mentalidade ressoa em toda a ala enquanto os militares da Força Aérea trabalham para encontrar métodos inovadores para tratar de questões antes e à medida que surgem.

"Eu não poderia estar mais orgulhoso de nossos mantenedores nômades, já que isso é verdadeiramente inovação", disse o Coronel David Moreland, 33º comandante do MXG. "Esses excelentes profissionais de manutenção foram confrontados com um problema, mas não limitados por ele. Eles usaram a adversidade como uma oportunidade. Seus esforços e essa solução inovadora não só salvaram a frota inteira do F-35 milhares de horas de tempo sem missão, mas também tiveram um impacto direto no combate, restaurando a capacidade de combate em todo o mundo ”.

Texto: Primeira edição publicada na Revista Manutenção sob licença Creative Commons  Licença Creative Commons
Imagens: As imagens possuem licenças específicas, consulte as respectivas legendas
Engine disponibilizada por U.S. Air Force via Press Release

F-35 Lighting II disponibilizada por U.S. Air Force via Press Release
COMENTE, DEBATA, DISCUTA OU DEIXE A SUA OPINIÃO RESPEITOSAMENTE
Os comentários não representam a linha editorial, tampouco a opinião dos articulistas e editores da Revista Manutenção, e estão sujeitos a moderação, pois são de responsabilidade exclusiva de seus autores.

Caso encontre algo ofensivo que viole a legislação vigente no Brasil ou os termos de uso, DENUNCIE.

DETALHES SOBRE O AUTOR
claudia-diaz A retirada do motor de um caça F-35 para manutenção leva até 36 horas - Revista Manutenção
Cláudia Diaz
Nome: Cláudia Diaz
Website: http://www.revistamanutencao.com.br/
E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Editora-Chefe


   Redes sociais: 
linkedin A retirada do motor de um caça F-35 para manutenção leva até 36 horas - Revista Manutenção
 
facebook A retirada do motor de um caça F-35 para manutenção leva até 36 horas - Revista Manutenção
 
twitter A retirada do motor de um caça F-35 para manutenção leva até 36 horas - Revista Manutenção
 
google A retirada do motor de um caça F-35 para manutenção leva até 36 horas - Revista Manutenção
 
youtube A retirada do motor de um caça F-35 para manutenção leva até 36 horas - Revista Manutenção
 
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.




APRESENTAÇÃO:

Editora-Chefe e Colunista da Revista Manutenção, escreve regularmente sobre diversos assuntos relacionados ao cotidiano da área de manutenção.

Responsável pelas relações comerciais, desenvolvimento de fornecedores, novos clientes, elaboração de propostas técnicas e comerciais, emissão de notas fiscais, boletos e faturamento.

FORMAÇÃO ACADÊMICA E EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL:

Profissional bilíngue da área de logística e transportes, atua há mais de dez anos com agendamento de fretes, seguros, riscos, em empresas de médio e grande porte, nacionais e multinacionais, onde edificou carreira como Analista de Transportes e assuntos burocráticos.


Avalie esta publicação: 1 1 1 1 1 Nota 0% (0 Votos)
Compartilhar

Redes Sociais

 

 
 

Anúncios

Livros recomendados

Ainda não é registrado? Registre-se agora!

ÁREA DO ASSINANTE