Inovação
Ferramentas
Fonte
  • Menor Pequena Média Grande Maior
  • Padrão Helvetica Segoe Georgia Times
Anunciantes
Tractian Gestão de Ativos
SIL - Lubrificação Industrial - Produtos de Alta Performance
SQL Brasil
ENGETAG Consultoria
Revista Manutenção EDU
Midia Kit

No artigo anterior, que leva o título de A Indústria 4.0 é o saldo da convergência de duas revoluções simultâneas, ao descrever sucintamente o surgimento da Internet e da Internet das Coisas, considerei os fatos mais importantes, ou seja, os marcos que deram origem a Revolução da Informação e a Quarta Revolução Industrial, que em suma, são duas revoluções simultâneas que mudaram, e ainda estão mudando o mundo como o conheciamos, e consequentemente a indústria, que foi se adaptando naturalmente ao famigerado processo de globalização.

 Contexto histórico 

Enquanto estudantes de Engenharia da Computação conectavam Coke Machines à Internet, mundo a fora, a Rede Mundial de Computadores, enquanto facilitadora da Comunicação, juntamente com avanços significativos em logística e transporte, catalisaram o processo de Globalização, em meados da década de oitenta (1980s), o que impulsionou o surgimento de uma nova Indústria, pós automação e robótica.

 Transição para uma nova indústria 

Foi assim, praticamente de maneira informal que surgiu uma nova indústria, globalizada e descentralizada, que fez ressurgir o processo conhecido como Revolução Industrial, contudo, sabia-se que a humanidade estava testemunhando um processo de transição, mas não se conhecia, como seria literalmente essa nova indústria, muito se especulava, sobre o futuro, mas nada aconteceu oficialmente durante a década de noventa (1990s), que foi na realidade a década da transição.

Transição que fez com que a Internet das Coisas, migrasse do ambiente acadêmico, deixando de ser objeto de estudo apenas dos estudantes e entusiastas de plataformas de prototipagem, para se tornar tecnologia aplicável em contexto industrial, através da Engenharia.

 O Surgimento informal da Indústria 4.0 

Foi em meados dos anos dois mil (2000s) que a Internet das Coisas, chegou efetivamente à indústria, o que começou a gerar muita especulação sobre a recém nascida nova indústria, mas foi apenas em 2006 que a Alemanha, com incentivos governamentais, catalisou iniciativas de pesquisas sobre tecnologia e inovação, dentre as quais destacou-se a ACATECH que é uma organização governamental sem fins lucrativos.

 O Surgimento formal da Indústria 4.0 

Enfim, apesar da alcunha Indústria 4.0 ter surgido em meados de 2006, através do grupo de pesquisas da ACATECH, a iniciativa tornou-se popular somente a partir de 2011, e faz parte de um esforço do governo Alemão para manter o país competitivo, senão na vanguarda industrial.

Em meados de 2011 a nova indústria passou então a ser conhecida e difundida como Indústria 4.0 e a partir de então, diversos países seguiram o mesmo caminho da Alemanha, no sentido de criar e incentivar instituições catalisadoras das tecnologias emergentes que fazem parte desse novo ecossistema industrial.

 Uma nova corrida por competitividade 

Tal ecossistema evoluiu exponencialmente desde então, e hoje, praticamente uma década depois da alcunha lançada pela ACATECH, a Indústria 4.0 é uma realidade que se impõe de forma gradativa, o que fez surgir uma nova corrida por competitividade no mercado, obrigando o setor produtivo se adaptar a esse novo contexto, complexo e composto pelas tecnologias oriundas de ambas as revoluções citadas no artigo anterior.

 A Índústria dependente da conectividade 

Diante deste contexto a indústria global, tornou-se dependente de conectividade, cada vez mais as "coisas", digo ativos, máquinas, equipamentos e veículos passaram a se conectar em rede, e o ecossistema industrial, passou a seguir essa tendência, conectando tudo o que foi possível, de maneira que a fusão entre ambas as revoluções, a Quarta industrial e a da Informação, tornou-se inevitável, num processo que ficou conhecido no Vale do Silicio como IoTification e que bifurcou em duas vertentes.

 As vertentes da Internet das Coisas 

Todo mundo conhece o termo IoT (internet of Things) que traduzido ao pé da letra, significa, Internet das Coisas, contudo, a velocidade das mudanças tem ocorrido de maneira absurdamente rápida, fazendo com que a maioria das pessoas não consigam acompanhar em tempo real as convenções determinadas pelas comunidades científicas, acadêmicas e pelas instituições envolvidas nesse processo, para adaptar o contexto ao surgimento de tantas tecnologias e inovações simultâneas.

Como forma de segregar a Internet das Coisas e diferenciar, dispositivos, tecnologias, hardware e software, que variam significativamente nos contextos residencial, predial, comercial e indústrial, o grupo de estudos da ACATECH convencionou segmentá-la em IIoT, que é a alcunha que classifica a Industrial Internet of Things, ou seja a Internet das Coisas Industriais.

 A melhor definição de IoT 

IoT é a definição da rede de dispositivos conectados na nuvem, que se comunicam entre sí, e que através do aprendizado de máquinas (Machine Learning) e Inteligência Artificial (Artificial Intelligence) auxiliam as pessoas na tomada de decisões, através do acúmulo (Data Warehouse), mineração (Data Mining), análise (Data Analitycs) e manipulação (Data Science) de dados de ambientes residenciais, prediais e comerciais.

 A melhor definição de IIoT 

Sendo que a IIoT possui praticamente a mesma definição de IoT, contudo o que muda é o contexto, pois no lugar de dispositivos como eletrodomésticos, smartphones e câmeras de segurança, o que se tem, são sensores, módulos e shields, que conectam ativos, máquinas, equipamentos e veículos em rede, para que eles possam serem monitorados remotamente, com o objetivo de otimizar processos industriais, reduzir custos, assim como, mitigar riscos financeiros e de segurança.

 O papel da IIoT na Indústria 4.0 

Sem a IIoT não haveria Indústria 4.0, afinal a conectividade foi fundamental para o seu surgimento, portanto, o papel da IIoT na Indústria 4.0 é resumidamente conectar e permitir a comunicação em rede entre ativos, máquinas, equipamentos e veículos, através de softwares e bancos de dados.

 As Tendências da Indústria 4.0 

Com a Indústria conectada, o volume de dados coletados e armazenados, aumentou baruptamente, e é exatamente neste ponto da história, que a Revolução Indústrial se funde com a Revolução da Informação, para dar origem efetivamente a Indústria 4.0, uma vez que acumular, minerar, analisar e manipular dados são atividades que envolvem os profissionais de uma área conhecida como Data Science, ou Engenharia de Dados, o que será pormenorizado no próximo artigo.


COMENTE, DEBATA, DISCUTA OU DEIXE A SUA OPINIÃO RESPEITOSAMENTE

Os comentários não representam a linha editorial, tampouco a opinião dos articulistas e editores da Revista Manutenção, e estão sujeitos a moderação, pois são de responsabilidade exclusiva de seus autores.

Caso encontre algo ofensivo que viole a legislação vigente no Brasil ou os termos de uso, DENUNCIE.

DETALHES SOBRE O AUTOR
fauzi-mendonca O surgimento da famigerada Indústria 4.0 ocorreu oficialmente após a consolidação da Internet das Coisas - Revista Manutenção
Fauzi Mendonça
Nome: Fauzi Mendonça
Website: https://www.revistamanutencao.com.br
E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Engenheiro de Manutenção


   Redes sociais: 
linkedin O surgimento da famigerada Indústria 4.0 ocorreu oficialmente após a consolidação da Internet das Coisas - Revista Manutenção
 
facebook O surgimento da famigerada Indústria 4.0 ocorreu oficialmente após a consolidação da Internet das Coisas - Revista Manutenção
 
twitter O surgimento da famigerada Indústria 4.0 ocorreu oficialmente após a consolidação da Internet das Coisas - Revista Manutenção
 
youtube O surgimento da famigerada Indústria 4.0 ocorreu oficialmente após a consolidação da Internet das Coisas - Revista Manutenção
 
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.




APRESENTAÇÃO:

Fundador, Diretor Editorial e Colunista da Revista Manutenção, escreve regularmente sobre diversos assuntos relacionados ao cotidiano da Engenharia de Manutenção.

Desenvolvedor Web e Webdesigner, é responsável pelo design, layout, diagramação, identidade visual e logomarca da Revista Manutenção.

FORMAÇÃO ACADÊMICA E EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL:

Profissional graduado em Engenharia Eletrônica com ênfase em automação e controle industrial, pós graduado em Engenharia de Manutenção, pela Faculdade Anhanguera de Tecnologia (FAT) de São Bernardo, pós graduando do Curso de Engenharia de Confiabilidade, pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), atua há mais de quinze (15) anos com Planejamento e Controle de Manutenção (PCM), em empresas de médio e grande porte, nacionais e multinacionais, onde edificou carreira profissional como Programador, Planejador, Analista e Coordenador de PCM.


Literatura Técnica

<

Ainda não é registrado? Registre-se agora!

ÁREA DO ASSINANTE