Bomba centrífuga: componentes e função

Bomba centrífuga: componentes e função

Bombas centrífugas são utilizadas amplamente na indústria para transporte de fluidos devido a sua flexibilidade operacional. Ela é um dispositivo comum na indústria que é usado para mover fluidos através de um sistema. Conforme Tsutiya (2006), as bombas centrífugas aceleram a massa líquida através da força centrífuga fornecida pelo giro do rotor, cedendo energia cinética à massa em movimento e transformando a energia cinética internamente em energia potencial de pressão.

Este equipamento é composto por vários componentes, incluindo um rotor, um eixo, uma caixa de bomba e um selo mecânico.

Por que a Manutenção Baseada em Uso ainda não é uma realidade nas indústrias?

componentes bomba

O rotor é a parte móvel da bomba e é responsável por gerar a força centrífuga que é necessária para movimentar o fluido. Ele geralmente é feito de aço e tem lâminas ou palhetas montadas em seu exterior que ajudam a empurrar o fluido.

O eixo é a peça que faz a ligação entre o rotor e o motor que faz a bomba funcionar. Ele é responsável por transmitir a força do motor para o rotor, permitindo que este gire e movimente o fluido.

Os mancais têm a função de suportar o peso do corpo girante, forças radiais e axiais do rotor que ocorrem durante a operação. 

Tudo sobre manutenção de mancais

A caixa de bomba é a estrutura externa que mantém todos os componentes da bomba em seu lugar. Ela é geralmente feita de aço ou ferro fundido e tem uma abertura na parte superior e na parte inferior para permitir que o fluido entre e saia da bomba.

O selo mecânico é um componente importante que evita que o fluido vaze da bomba. Ele é colocado entre o eixo e a caixa de bomba e geralmente é feito de material resistente ao desgaste, como cerâmica ou grafite.

Esses são os principais componentes de uma bomba centrífuga na indústria. Juntos, eles trabalham em conjunto para movimentar fluidos de maneira eficiente e confiável em uma ampla variedade de aplicações industriais.

Principais problemas da bomba centrífuga

Um dos fatores que influenciam o bom desempenho de uma bomba é a sua correta instalação, quando isso não acontece desbalanceamento, desalinhamento, problema em rolamentos, vazamentos, folga na rotação, folga na fixação da bomba na estrutura e cavitação atingem o maquinário.

Saiba tudo sobre os tipos de rolamentos e suas especificidades

A cavitação é um fenômeno complexo que atinge máquinas hidráulicas operando com líquidos. Nela há formação de bolhas de vapor dentro de um fluido em circulação, que acompanham ruídos causados pelas cavidades em colapso, excesso de vibração e redução na eficiência da bomba.

Ela irá ocorrer quando a pressão absoluta na entrada de sucção da bomba torna-se menor que a pressão de vapor do líquido bombeado levando à vaporização do mesmo e a formação de bolhas, que se chocam muito rapidamente umas de encontro às outras e de encontro às superfícies próximas que impedem seu deslocamento. 

 

 

colapso das bolhas

 

Quando as bolhas entram em colapso, um choque de alta energia no fluido em forma de onda é criado, reduzindo a eficiência do sistema já que o padrão de fluxo foi alterado.

Se uma bomba opera sob condições de cavitação por um longo período de tempo, o desgaste resultante pode assumir proporções tais que partículas de metal soltam-se do seu rotor. Esse desgaste pode ser determinado com base na redução do peso da peça em um determinado período de tempo, obtendo-se a taxa de perda de metal por cavitação ou taxa de erosão por cavitação.

Entenda o fenômeno da cavitação em bombas centrífugas

Referências Bibliográficas 

PORTO, Rodrigo de Melo. Hidráulica Básica. 4.ed. São Carlos: EESC - USP, 2006. 540 p

HENN, Érico Antônio Lopes. Máquinas de fluido. 2.ed. Santa Maria, RS: Editora da UFSM, 2006. 474 p.

TSUTIYA, Milton Tomoyuki. Abastecimento de água. 3.ed. São Paulo: Escola Politécnica da USP, 2004. 643 p.

Redação

Editores & Revisores

Especializações

Jornalismo

Redes sociais

A Redação da Revista Manutenção é composta por profissionais que atuam direta e indiretamente com manutenção no setor secundário (indústria) e terciário (comércio e serviços) da economia, dispostos à difundir informações, artigos, opiniões, debates e eventos, para estudantes e profissionais que atuam com engenharia de manutenção e/ou confiabilidade, assim como na gestão de ativos, recursos, serviços e riscos.

A linha editorial da Revista Manutenção está plenamente alinhada com o código de ética e conduta de entidades, instituições e conselhos de classe como CONFEA, CREA e FNE, no sentido de fomentar o desenvolvimento social e econômico nacional, por meio do progresso ciêntício e tecnológico sustentável, com o objetivo de garantir o bem-estar e o desenvolvimento do homem, em seu ambiente e em suas diversas dimensões: como indivíduo, família, comunidade, sociedade, nação e humanidade; nas suas raízes históricas, assim como nas gerações atuais e futuras.

Explorar o potencial da internet para tornar-se referência como acervo científico e tecnológico, através da publicação de conhecimento, sob licença de uso que o permita ser difundido entre estudantes e profissionais que atuam direta ou indiretamente com manutenção, cujos interesses sejam convergentes e alinhados com a missão, visão e valores descritos aqui.

O desenvolvimento social e humano é determinante para o desenvolvimento econômico do país e das empresas, portanto defendemos que o Estado, assim como a iniciativa privada, devem priorizar investimentos para a educação e capacitação profissional, assim como adotar e promover políticas e valores que promovam o estado de bem estar e justiça social, considerando o princípio da igualdade de oportunidades com isonomia e equidade.

O meio ambiente é patrimônio da humanidade, e não deve em hipótese alguma ser submetido aos interesses corporativos e/ou especulativos de mercado, portanto protegê-lo e preservá-lo através da legislação ambiental e demais recursos ciêntíficos e tecnológicos é um dever ético imutável e comum a todas pessoas, profissionais, empresas, governos e países.

O progresso social, político, econômico, científico e tecnológico nacional, depende da adoção de uma política econômica desenvolvimentista, não ortodoxa, que reverta e supere as crises econômicas resultantes do modelo fracassado que popularizou-se nos países sub-desenvolvidos em meados da década de noventa.

A meritocracia é uma distopia que catalisa a corrupção e subverte as regras instituídas em nome do bem-estar coletivo, tornando-as flexíveis e barganhaveis diante de interesses escusos, portanto ela deve ser superada.

A transparência é sinônimo de lisura, portanto informações e opiniões devem ser devidamente separadas e identificadas, para evitar que o público seja submetido ao engodo da persuasão e da fabricação de consenso.

Todo conhecimento adquirido, seja ela discursivo ou intuitivo, deve ser multiplicado, compartilhado e utilizado para garantir que os valores expressos acima, sejam consolidados de modo empírico.


loading Bomba centrífuga: componentes e função - Revista Manutenção Não há mais arquivos para exibir